quinta-feira, janeiro 30, 2014

A FLORENÇA DOS TRÓPICOS REVISITADA
















Recife é um monstro
Uma hidra com várias cabeças

Recife é um mundo dentro de outro
Uma realidade de faca na face do Brasil

Um dedo apontado na ferida
A sangrar tempestades e flores

Recife cidade de tantos habitantes
Abençoados pela lama do mangue.

Recife, Recife, ah, quantos recifes
Cortando e sendo cortada pelo fio
Das águas maltratadas do Capibaribe!

Recife dos seus cidadãos do mundo,
E das suas cores, formas e paladares,
E de sua geografia da fome na alma

Recife: monstro de mil cabeças
Num corpo de um gigante
Feito a própria natureza de seus passos

Recife anda... Anda não! Marcha!
Cercada de ritmos e de história...

Incrustadas, no tempo e no espaço,
Qual caranguejo nos manguezais.

Fabiano Silmes

sábado, janeiro 25, 2014

Existência


Clique para ampliar
 
 
Vim, vi e venci. Depois, o tempo me arrancou os olhos.
_ Fabiano Silmes
 
Image: to0T4L