quinta-feira, agosto 23, 2012

A Transpiração da obra


A minha obra saí à ginástica!
O suor escorre entre os dedos
E caí suave sobre as palavras.

Logo, quando a lida se encerra,
Apresento-a ao meu pensamento
(Severo juiz de minhas criações).

Então, como que saudando o novo
Deslizo os meus dedos sobre a lira
E todo o esforço antes pressentido
Se funde e se transforma em versos.

Fabiano Silmes

Um comentário:

Lu Rosário disse...

Que lindeza...! Como se todo verso fosse produzido com suor..e como se toda palavra fosse um esforço em se ser melhor e toda poesia fosse um confronto consigo mesmo.

Beijos.