sábado, abril 28, 2012

O corpo potencializado


Eu sou um templo
De vozes mudas
E de gestos calados

Eu sou um templo
De imagens desfeitas
Sob o fogo iluminista
Que arde em minha alma

Nem santo nem pecador:
Sou apenas um homem!

Sem penitência e escravidão
Eu sou um templo no espaço
Onde não habita nenhum deus.

Fabiano Silmes

2 comentários:

Poliana disse...

Nossa, "de vozes mudas e de gestos calados..."

Da maneira como só você escreve Fabi. Lindo.

Parabéns!1

Lu Rosário disse...

Um homem que é, também, um templo e em si só..se basta.

Beijos.