segunda-feira, janeiro 23, 2012

O êxtase














A poesia me espera nas esquinas,
Em seus trajes sumários...
A bolsa levemente girando.

A vida vem me seduzir na cama,
Graciosa e fagueira com a lebre.

O coração exaltado vai à boca
E entre as alegrias e os medos
De uma virgem a ser deflorada

Excitado, me levanto e vou até ela
- E a penetro como quem goza.


Fabiano Silmes

5 comentários:

Poliana disse...

Nossa. Sem palavras.
Faustoso e intrigante universo, não só masculino, mas poético. Explêndido Fabiano.

Parabéns. Estou boquiaberta....rs

Abraços
Poli.

Lu Rosário disse...

É aqui que um todo também se encontra no real.

Beijos.

luiz carlos disse...

Belo poema ébrio de poesia,transformando o vulgar em lírico.li com o fervor.Senti-me vadiar pelas esquinas sórdidas
Este é um dos poderes da poesia,transportar para a paisagem sem sair fisicamente do lugar,transporta-se a paisagem viva pinçelada pelas palavras alvas,caro amigo e grande poeta com estes dois poemas quentinhos saidos do forno,tranportei-me para o universo de suas palavras.

luiz carlos disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Lu Rosário disse...

Para dizer que meu blog mudou de nome, encontro-me agora no wwww.pudornenhum.blogspot.com

Beijos.