sexta-feira, dezembro 09, 2011

Licença poética

A mosca pousa sobre a página do livro;
Parece querer extrair seiva das palavras.
(Paixão, desencanto, crime e castigo).

Peço desculpas a Dostoievski
E subitamente fecho o livro:

E como num passe de mágica
A mosca passa fazer parte da história.


Fabiano Silmes

4 comentários:

F. Reoli disse...

Como um bom mosca (de bar), muitas vezes frequento os livros, embora as histórias mais atraentes, estejam ao longo do balcão, uma garçonete sorridente com sabor de gim! Grande abraço!

Lu Rosário disse...

Voce tem toda a liçença, quando o assunto é poesia.

Um beijo.

Lu Rosário disse...

Some não, vê se reaparece!

Um beijo e Feliz 2012!

Poliana disse...

Magnífico, pára Fabiano... Me deixa sem palavras! rs

Um abraço,
Poliana.