domingo, abril 25, 2010

Engrenagens

O passado nunca existiu
Para que haveria de existir?
O amanhã ainda não existe
É apenas uma página em branco

E o agora?É um fluir sem fim e sem rumo
Para quem sabe a felicidade do talvez.



Fabiano Silmes

2 comentários:

Catarina Poeta disse...

Companheiro de blog, saiu meu 4° livro, e você pode fazer download em http://www.bookess.com/read/3082-releituras/
Forte abraço!

Lu Rosário disse...

Tenho aprendido a acreditar somente no presente..o restante é presente e tudo se consolida no momento vivido.

Saudades de vc!