domingo, abril 25, 2010

Engrenagens

O passado nunca existiu
Para que haveria de existir?
O amanhã ainda não existe
É apenas uma página em branco

E o agora?É um fluir sem fim e sem rumo
Para quem sabe a felicidade do talvez.



Fabiano Silmes