quarta-feira, outubro 28, 2009

Imenso grão




Criar, inventar, imaginação
Deixar expandir
Até abraçar o mundo
Quando o amanhã chegar
Não passarás de um deus esquecido

200total508

image by hermin abramovitch

quarta-feira, outubro 07, 2009

Entrevista com a banda Última Dança



Por Fabiano Silmes

Dona de um estilo inconfundível e de particularidades distintas, que remetem o romantismo da década de 80 a banda – Última Dança - vem se destacando dentro da cena underground carioca (e porque não dizer do Brasil) seja por suas letras ou pela melodia de seus acordes. A formação, que sofreu algumas mudanças, conta atualmente, com Fabiano Souza (Vocal / Programações), Marcelo Oliveira (Baixo) e Adriano Cavalcante (Guitarra). Em entrevista, inédita, concedida para o Vortex Project, Fabiano Souza fala sobre essas mudanças, e também, de outras curiosidades relativas ao grupo.


V.P. - Como se formou a Última Dança?

Fabiano Souza – Em meados de 2005, recebi de meu primo um programa de criação e edição de áudio, chamado Fruity loops. Como eu já me interessava por bandas que usavam recursos parecidos para criarem música eletrônica, logo me vi fascinado por aquele novo mundo de botões, sintetizadores e batidas sincronizadas. Comecei a dar forma às melodias que antes eram tocadas por mim apenas em meu violão, e gostei tanto do resultado que logo me veio em mente à idéia de montar uma banda.

V.P. - Como se deu a escolha do nome?

Fabiano Souza - O nome Última Dança foi escolhido por mim em alusão à dança encontrada nos clubes destinados a música Dark nos anos 80.

V.P. - Vocês já se conheciam antes de formarem a banda?

Fabiano Souza - Sim. O Última Dança havia terminado após o lançamento de sua primeira demo no ano de 2006. No ano seguinte Marcelo e Adriano me foram apresentados por amigos numa festa em minha casa, foi onde decidimos ressuscitar o UD.

V.P. – Quantas formações a banda já teve antes da atual?A mudança foi um processo natural?

Fabiano Souza - A banda passou por apenas uma formação. Antes a banda contava apenas com Roberto Avelar nos vocais e eu nas programações. Desta fase surgiu uma demo e como o resultado não agradou a ambos, o Última Dança chegou precocemente ao fim.

V.P. – Após essa reformulação ocorreu alguma mudança na música de vocês?

Fabiano Souza - A linha de som do Última Dança foi mantida, assim como suas características. Porém não há em nossa música uma direção pré-estabelecida, pois estou sempre aberto a novas idéias.

V.P. - Quais são as maiores influências da banda?

Fabiano Souza - Meu estilo musical favorito é o Neo-folk por ser uma alternativa a indústria fonográfica universal atual, além das bandas trazerem inspirações constantes para o estilo, assim como diversidades de temas pouco interessantes para a mídia. Também ouço Freestyle e trip-hop, bossa nova e MPB, ambos da velha guarda.

V.P. - O que você tem ouvido ultimamente?

Fabiano Souza - Eu tenho ouvido Bell´s of Soul, Escarlatina Obcessiva, Scarlet Leaves, Days are Nights, Plastique noir, In ruin, Death in June.

V.P. - Como foi à repercussão do primeiro EP?

Fabiano Souza - Recebo de ouvintes boas críticas em relação ao EP.

V.P. – Qual é a maior dificuldade - encontrada por vocês para divulgar os shows e as músicas da U.D. sem o suporte de uma gravadora?

Fabiano Souza - A maior dificuldade da banda é em relação à gravação. Não tivemos muita sorte acerca destes anos. Estou me preparando para assumir a produção dos mesmos e por um fim as gravações emergentes em estúdios. A divulgação, podemos contar com pessoas que realmente admiram este tipo de música. Tudo é realizado pela internet.

V.P. - A Internet tem se mostrado como uma ferramenta primordial para a divulgação de trabalhos. Inclusive sendo muito utilizada por bandas independentes, Qual o posicionamento de vocês em relação a isso?

Fabiano Souza - Outrora tínhamos apenas os zines, que sempre admirei como forma de divulgação de bandas que atuavam fora da mídia. Hoje tem a internet, mais uma forma de interagir com pessoas de todo o mundo. Certamente a maior fonte de divulgação.

V.P. - É possível encontrar os CDs da U.D. disponíveis para downloud na Internet?

Fabiano Souza - Sim. Poderá encontrá-los através do Google.

V.P. - Como foi tocar com nomes conhecidos, na cena underground, como o Gárgula Valzer e Days Are Nights?

Fabiano Souza - Tocamos com o Gárgula V. na Dark Dance no RJ e com o Days are Nights em campinas SP. Foi uma experiência maravilhosa! Somos amigos e tudo ocorreu dentro de nossas expectativas.

V.P. – Além destas duas vocês mantêm contato com outras bandas?

Fabiano Souza - Escarlatina Obcessiva, Alma nômade, Scartet Leaves, Bells of Soul, Mecano, Luiza fria, Current 93. . .

V.P. - Qual é a relação entre o Última Dança e a banda Mundo da Mente?

Fabiano Souza - Robert Avelar é um antigo amigo e o ajudei nas programações eletrônicas de seu primeiro disco. Chegou a cantar no Última Dança bem no início, porém logo criamos nossos projetos independentes.

V.P. - Fale um pouco da produção deste novo trabalho virtual?

Fabiano Souza - Concentra-se numa compilação de músicas gravadas ao vivo e algumas demos. Uma prévia para o disco que lançaremos em breve.

V.P. - A poesia sempre teve presente nas composições da U.D. Como se dá o processo de musicar estas letras?Quem aparece primeiro a música ou a letra?

Fabiano Souza - A música. Componho algumas notas no violão e depois adiciono uma parte da letra. Quando sinto que soa bem, começo a programar as batidas e sintetizadores imaginando que rumo à mesma deve tomar.

V.P. Nesse novo CD é possível encontrar, na música Tropas noturnas, uma letra que difere da temática romântica apresentada no EP - A dança do tempo. A música seria algum tipo de adesão social por parte da banda?

Fabiano Souza - Ao regressarmos pela história é possível ver algumas ideologias políticas e seus efeitos sobre as nações; Dor e sofrimento. Inclino-me ao pensamento que todo o mal é o nítido reflexo do homem. Tropas noturnas frisa este pensamento, de um modo que permite o ouvinte a compará-la também com seu íntimo, com seus dias de luta. Não há nesta canção uma ideologia e sim o reflexo da guerra.

V.P. - Daqui pra frente podemos esperar outras músicas semelhantes a esta, ou seja, mantendo este mesmo tom critico?

Fabiano Souza - Sim. Se olharmos para dentro de muitas canções do Última poderemos ver fragmentos desta mesma guerra. Ver “Flores do éden”.

V.P. Se você pudesse definir a Última Dança em poucas palavras como a definiria?

Fabiano Souza - As vozes e os sorrisos deixados em um dia cinza nos parques da infância.


Links: http://www.myspace.com/ultimadanca
http://www.buscamp3.com.br/artistas/71491_home.asp?br=1
http://palcoprincipal.sapo.pt/ultimadanca