sábado, maio 23, 2009

O Poema


não terá descanso este poema:
terá a imagem estudada
o verso exposto
a metáfora analisada
será anjo e será fada
e muito, muito além de nós
ele será um deus
que se (re)inventa
por falta de milagres.

Fabiano Silmes

9 comentários:

Desengavetados disse...

O anjo anuncia sua construção estética...parabéns, poeta!

O empírico disse...

As palavras que colocamos no mundo existem para além de nós...

Eurico disse...

Sim, tuas palavras transcendem o texto. E surgem sentidos imprevistos, filhos do estranhamento do que nos é tão familiar, como a palavra escrita. Viva isso que é arte poética, da mais pura.

Mas vim te agradecer pela cilcada no Eu-lírico.
Abraço fraterno e aqui se inaugura uma amizade.

Eurico disse...

Errata: Leia-se "clicada" no meu blogue... rsrsrs

Catarina Poeta disse...

Gostei do poema e da leveza na idéia do milagre. Beijo.

F. Reoli disse...

Animal o poema, no sentido irrestrito da palavra. E como um bom súdito do Vortex, tenho só que dizer AMÉM!!!
Abração

welington de sousa disse...

Bacana essa ideia da reinvensão do milagre é paradoxisal e existe no poema uma violenta força sutíl.

Meus parabens e meu abraço !

Welington de Sousa disse...

Bacana essa ideia da reinvensão do milagre é paradoxisal e existe no poema uma violenta força sutíl.

Meus parabens e meu abraço !

Gusto Vibe disse...

Construindo, reinventando, criando,.......idéias........novas, nossas, de todos nós,...
atribuidos a uma só espécie>>>>>>>>p o e s i a.

Parabéns meu amigo!