quarta-feira, março 11, 2009

Andanças


Ao poeta Ricardo Sant’Anna Reis

tenho andado inquieto
as ruas todas
seguem sem novidades.

tenho andado a esmo
lento como a tarde
veloz como a vida.

on the road, baby
eu Sigo o meu caminho
mas eu nunca estou só
a poesia dos momentos
vai dentro do meu peito
como se fosse palavras
e assim levado pelo vento
vivo como se escrevesse
um poema feito das coisas
que deixo para trás.

Fabiano Silmes

3 comentários:

Lu Rosário disse...

Pq o poema é como se fosse o passado.. ou a vida estanada e floreada.

Beijos!

to0T4L disse...

Isso é bom, sempre em movimento ...

Abs

Ricardo Sant'Anna Reis disse...

o poeta semeia ao contrario...recupera o vivido..segue na direção contrária das setas de sinalização...é o looping da dialética, em busca da sintese poética que permite transcender. obrigado poeta
Si lmes.