domingo, março 22, 2009

O poema do sim ao contrário

Quando tudo passar já será passado.
Não haverá nada mais do que isso...
Todas as expectativas serão apenas
Lembranças de algo que se confirmou.
Quando tudo apontar caminhos: não siga
Quando todas as cartas disserem: não ouça
Quando quiser algo: não peça nada a ninguém
Viver o desejo é bem mais perigoso do que sonhá-lo...
Não sonhe: siga para dentro e feche as janelas todas
Como que fecha os olhos para toda solidão do mundo.


Fabiano Silmes

quarta-feira, março 11, 2009

Andanças


Ao poeta Ricardo Sant’Anna Reis

tenho andado inquieto
as ruas todas
seguem sem novidades.

tenho andado a esmo
lento como a tarde
veloz como a vida.

on the road, baby
eu Sigo o meu caminho
mas eu nunca estou só
a poesia dos momentos
vai dentro do meu peito
como se fosse palavras
e assim levado pelo vento
vivo como se escrevesse
um poema feito das coisas
que deixo para trás.

Fabiano Silmes