sábado, maio 24, 2008

Durante um tempo foi assim ...

.
..................................I
O despertar


Começou pra ser assim
Perdeu-se por ficar assado
Abandonado sem perceber
Como inocência no passado


Colocou a mão no bolso
Foi quando deu por falta
Achou apenas um cartão vermelho
Na forma de um coração que chora


Mas ergueu a cabeça e viu
Que tudo que havia perdido
Flutuava ao seu redor
Ao alcance das mãos
E a um passo do pensamento


..................................II
O ápice


Correu aos pulos pelos verdes campos da consciência
Caçando as várias belas borboletas
Que por muito tempo insistira em não ver
E agora faiscavam sedutoras a sua frente


Pegava quantas conseguisse de uma vez
E jogava para dentro de si
Mas eram como estrelas no céu...
Mas também era grande sua fome...


Passou não medir esforços
Passou viver para caçar
Borboletas durante o dia
Estrelas durante o luar


..................................III
A lição


Certo dia tossiu uma borboleta
Transbordava de tantas
Passou mostrá-las para outros
Que assim como o seu passado ignoravam-nas:


Com a atenção voltada para moscas
Mantinham-se com a visão desfocada
Por parasitas sempre fáceis e disponíveis
Como daninhas brotando em todo lugar


Basta abrir a boca para que venham pousar
Basta mastigar para alimentar-se delas
Basta flertar com o fim
Para cercar-se delas


..................................IV
O registro


Moscas e borboletas propagam-se pelo ar
Ocupam o mesmo lugar no espaço
Nascem na mesma terra
Morrem no mesmo compasso


Permeiam tudo e nada
Transformam-se a cada segundo
Penetrando nas veias ao respirar
Fazendo do viver uma escolha


Vontade então intacta
Na luta de manter a chama acessa
Para não deitar com as moscas, sem antes caçar
As mais belas borboletas que
Fazem a vida se revelar.


Terra dos Cyborgs, não datado.
Charles Garreau




200total508

4 comentários:

Lu Rosário disse...

Lindo poema que me deixou em reticências..

..beijos.

Lu Rosário
www.sempudor.blogs.sapo.pt

F. Reoli disse...

Cada fase da vida tem mesmo a sua poesia... lindamente retratada nesse poema.
Há braços

Godet disse...

Borboletas permeiam sua cabeça e pingam em letras...eis o poema.
bjs borboleta

Sabrina disse...

Duas borboletas lindas eu encontrei no meu caminho...