sexta-feira, junho 01, 2007

O canto de Orfeu

Ao poeta Leandro Ferreira Manhães

Ter nas mãos um sonho
E dele ser um instrumento.
A cada vôou ou chegada
Zelar para que fique intacto
Ao menos sua presença.

E que este sonho vivo e intenso
Seja aceso em noite densa,
como farol para os naufrágos
neste mar que a tudo encobre.

Aprender a ver e ouvir
Que no correr das horas tudo passa...
E principalmente viver a vida
Com consciência e cuidado
Com está chama
Que se leva no peito
Através de tanta aragem.

E sorrir triste,
Como se levasse um pássaro
Que não se pode manter
Prisioneiro das mãos por muito tempo.

Fabiano Silmes

5 comentários:

Lu Rosário disse...

Quanta sensibilidade.

Sonhar é bom e faz com que a gente trascenda para um mundo que é só nosso e nossa criação.
Aquele que não sonha, perde-se.
Os sonhos fortalecem e dão esperança.

Bjos.

Lu Rosário disse...

Voltei para te desejar aquela semana maravilhosa que só você sabe como é.

Beijos.

GUSTO VIBE disse...

Essa fonte de desejo e aspiração que se passa em pequenos episódios em nossos sonhos, pudesse transmutar em absoluto viver nossa realidade, o mundo talvez, não sei...
Acho que não teria sentido. Ninguém mais poderia sonhar!!!
Sonhar é bom. Revigora a alma, acalma os nervos, sobrepõe a felicidade e como você mesmo disse nesse grande poema: “Que este sonho vivo e intenso seja aceso em noite densa.” Para sempre!!!
Parabéns!!! Sonhar traz esperança e esperança e sempre um ultimato.

Abraços velho amigo.

F. Reoli disse...

Descreveu bem esse cotidiano de sentidos...
Abração

To0T41 disse...

Uma mensagem de força é sempre bem vinda, farei destas palavras um campo para análise entre sonho e realidade.

Abs
to0T41