terça-feira, janeiro 23, 2007

Dissertação sobre a natureza do que é oco

O que é oco tem dois lados:
O vazio que é dentro;
Que é parte sem carne
De algo que se pode pegar;
Como um tenis,uma garrafa ou um vaso.
E o fora que é o que se deixa pegar;
Como um pacote vazio ou uma bexiga cheia de Ar,
Envolta inerte por mãos que se distraem pelo que é fora;
Pelo que se mantém no espaço e no tempo,
Sendo uma embalagem pro nada,uma casca-coisa,
Do que não é próprio a se levar em mãos...
O fora quebra-se em cacos como um copo.
O oco vale pelo que é dentro
E não o que lhe é em aparência,
O que se deixa levar como objeto.
O que é oco,vale antes pelo nada
De seu interior-coisa;
Em que se leva sem se levar.


Fabiano Silmes

segunda-feira, janeiro 15, 2007

Distância

Quando olho pra mim
Vejo outra pessoa
Me olhando
Vejo-me
Olhando
Uma paisagem
Distante
Onde pássaros
Tristes sobrevoam
Silênciosamente
Dentro da minha memória.


Fabiano Silmes

terça-feira, janeiro 09, 2007

A cara da desordem

Ordem
& ingresso
Progresso
Sem ordem
Na desordem
Do progresso
A ordem
Da desordem
É a ordem
Do progreso
Do congresso
Mudo e surdo
Ao absurdo
Do mundo
Da fome
De todo mundo
Em progresso
Pão e circo
Bandeiras em preto
Branco e vermelho
Enquanto o povo calado
Avança na avenida
Fazendo da fome
O seu carnaval


Fabiano Silmes

segunda-feira, janeiro 01, 2007

FeliZ007

.
Estava lendo uma revista publicada a menos de uma semana, quando de repente tomei um baita susto. Pois, ao terminar a primeira linha do texto da matéria acima, tive a impressão de ter lido uma notícia futura (quem for de SG entenderá mais rápido), mas após a segunda linha a ficha caiu. Passado o susto – não a indignação –, ficou a lição que devemos ficar atentos para que amanhã isso possa ter sido realmente “apenas um susto”. .
.
.......................................................................ToOt4l