terça-feira, novembro 28, 2006

Poema cego

O que vejo agora
Não me diz nada
Do que realmente sinto...
E sinto muito por isso.

O que não vejo agora
Diz mais,muito mais
Do óbvio olhar sobre
Palhaços sem alegria
Reinos sem reis
Carnaval sem fantasia.

O deserto é que me tem
Cego pelo que não vejo
Eu vejo além...


Fabiano Silmes/Fernando Maia

Um comentário:

Vortex Project disse...

De olhos fechados, muitas vezes enxergamos melhor. Pois olhamos para dentro, onde realmente residem as respostas.

Essa dupla dá o q falar !!!

To0t41