quinta-feira, agosto 24, 2006

Livro Sobre Nada

Muito me identifiquei ao folhear as páginas deste cativante livro do Manoel de Barros. Trazido a mim gentilmente pelo amigo Fabiano Silmes. Segue um de seus belos poemas.


Não é por me gavar
mas eu não tenho esplendor.
Sou referente pra ferrugem
mais do que referente pra fulgor.
Trabalho arduamente para fazer o que é desnecessário.
O que presta não tem confirmação,
o que não presta, tem.
Não serei mais um pobre diabo que sofre de nobrezas.
Só as coisas rasteiras me celestam.
Eu tenho cacoete pra vadio.
As violetas me imensam.

Manoel de Barros


|o|Leandro|0|

2 comentários:

Rebeca dos Anjos disse...

Eu vou ler esse cara!!!

Parece muito bom mesmo!!!

Me lembrou passagens do meu predileto Fernando Pessoa...

Beijos, moço!

O empírico disse...

Caralho, cara! Eu tenho um livro fodão do Manoel de Barros!!!!

Ele é foda demais, né?

Inté!

(não tenho mexido em Feeria há algum tempo, mas mais coisas virão...)