sexta-feira, março 03, 2017

VIDA

livre é a semente viajante
que insinuante, obscena e envolvente
atravessa a bailar perante meus olhos atentos
transbordando metáforas de todos os tamanhos e cores
pois seu palco é o céu, as montanhas e os mares
observo, curioso, aceno
seu chamado multifacetado
desafia e arde
a ponto de despertar o espírito
estico o braço e os dedos
até tocar o sol que aquece a brisa
um longo suspiro desvia meu olhar
e de repente ela se foi

Dedicado a M. de C.F.
030to0T4L317

quinta-feira, setembro 03, 2015

Destarte

O reflexo da bandeira cintilante
O voo do foguete sem asas
A ponta quebrada do lápis
Coirmãos de um verso estéril

030to0T4L915

sexta-feira, agosto 28, 2015

Nas dobras do tempo



















Os meus amigos ficaram burros,
Empobrecidos em meio a nevasca.
Ficaram só
Batendo espelho
Sobre todos os egos.

Escorre por entre seus dedos
A máscara desfeita
O pó dos sonhos e a estrela das eras.

Os meus amigos ficaram burros,
Entregues a monotonia das coisas
Pobres caravelas partidas e abandonadas
Em portos abarrotados de solidão.

Os meus amigos ficaram burros,
Já não sabem mais distinguir
Se é noite, dia ou poesia...
Escrito nas dobras do tempo
Os meus amigos não sabem ler mais nada.


Fabiano Silmes - 01/08/2015 Às 04: 27 AM

terça-feira, agosto 11, 2015

Prece






O dia começou chuvoso em minha alma...
Quem sabe com o decorrer das horas
Um Sol calmo surja por entre as nuvens
E propicia-me a luz que eu quero e mereço.
(Por enquanto, tudo é noite, é frio, é tempestade,
é préstito de sombras e alegrias desencontradas)
Mas nenhum rumor de pressa ou medo me aflige
Carrego toda coragem pra vencer a intempérie
E escrever no impreciso tempo a minha história
Cheia de tudo que resta dessa esperança baça
Mas que assim mesmo brilha mais do que a chuva
Que molha, invade, inunda mas não me subverte.


Fabiano Silmes

terça-feira, julho 21, 2015

O espelho


De novo a história do espelho
Eu olho para o espelho
O espelho me observa
Quem é o espelho
O que é o espelho
Por que me observa
Quem olha o espelho
Há um espelho dento do outro espelho
Quantos espelhos existem
Quantos espelhos permeio
 Dois espelhos constroem o infinito
Mil espelhos para cada verso
Mas o espelho não faz poesia
O espelho só reflete a realidade
Ou pode o espelho ver além dos olhos
Traz o espelho desejos vindouros
Traz o espelho lembranças empoeiradas
Apenas um verso sem espelho
Um verso sem espelho não muda o mundo

O espelho muda a cada mo(vi)mento

210to0T4L015

O querer




O que dói não é a dor, mas o corte;
O que mata às veze liberta;
O que ama às vezes destrói;
O que deseja é o que se quer,
Mas nem sempre se tem o que deseja,
Mas sempre se quer mais do que se tem.

E, por isso, tão cheios de querer
Às vezes nos sentimos vazios
E vazios revelamos nossa  fraqueza.

Às vezes o mais forte chora
E às vezes os mais fraco sorri ao seu destino.
No entanto, não chora e nem sorri o destino:
Ele apenas segue seu curso...
E como o correr das águas calmas de um rio
Vai refletindo a inalcançável beleza do céu.

Fabiano Silmes 

sexta-feira, junho 19, 2015


O mundo está cheio de tudo
O mundo está cheio de nós
Nós tentando passar por cima de tudo
Tudo tentando passar por cima de nós

190to0T4L615

Mexican artist, Smithe One’s series "Brick and Meat"

terça-feira, junho 09, 2015

O Gladiador


As pessoas costumam apostar contra mim nas arenas
Deixar me influenciar por seu julgamento
É sufocar meu desejo de triunfar
E entregar meu sangue de antemão
À punhalada da lâmina fria

Não preciso calar a multidão
Seus gritos aguçam meus sentidos
Meu dever é saber quem sou
Dominar a fera que tenta sobreviver às custas da minha carne
E conduzir meu destino à foz de sua razão


090to0T4L615

image: ©2013-2015 GiardQatar




Acreditava reinar soberano
Mas após tantos gritos de desejo
Acabou por despertar a consciência
Dividindo o homem em dois reinos

090to0T4L615

image: http://www.normanmolinari.com/